domingo, 3 de outubro de 2010

Chile - Parte I

Ao sabor de um Orzada Carmenere (uva preferida nos últimos tempos da última semana) 2007, vou escrever um pouco (ou muito!) sobre minha viagem ao Chile, por um único e simples motivo: antes de viajar, “Monica Geller” que sou, pesquisei MUITO sobre o país, especialmente baseada em blogs de brasileiros que lá já estiveram.

Nada mais justo que proporcionar agora, aos novos viajantes, minhas impressões e dicas sobre Santiago, Vale Nevado, Viña Del Mar e Valparaíso. Praticamente um serviço de utilidade pública, facilmente acessível através de uma boa ‘googlada’. Vumbora!!!

Voltaria amanhã! Acho que esse é uma boa maneira de iniciar esse post. Mas, claro, não gostei 100% do que vi. A chegada no aeroporto é bem tumultuada, com um monte de taxista enchendo o seu saco pra te levar até o hotel... chega a ser indelicado e invasivo, mas nada que nós, brasileiros, não estejamos acostumados, né?! Ou você nunca foi assediado na beira da praia ou num semáforo?

Minha dica de chegada é: se você tem tempo e quer economizar, procure o stand/quiosque da Tur Bus no aeroporto. A Tur Bus é uma empresa de viação bem conhecida no Chile, que com uma van vai deixando os viajantes um a um em seus hotéis. Baratinho!!! Mas se você não quer fazer economia de palito, nem tem tempo a perder, negocie um táxi. Ch$15.000,00 é um valor razoável pra você chegar a Las Condes, por exemplo, bairro onde eu fiquei. Esse valor, claro, pelo trajeto, não por pessoa!

E por falar em Las Condes, não tenho críticas a fazer sobre o bairro, viu?! Tudo que é brasileiro fica em Providência... eu lhes pergunto: por que ficar na Bela Vista se você pode ficar no Jardins? (quem mora ou conhece SP vai entender o que eu quero dizer). Las Condes é um bairro nobre de Santiago, uma GRAÇA, cheio de restaurantes, supermercados, praças... possui metrô, e fica ao lado de Providência, pertinho dos burburinhos da city...

Pra quem tá indo, fiquei no Eurotel. Simples, básico, porém limpo e barato. Pros brasileiros batalhadores nossos de cada dia como eu, pra que mais??? Não tenho restrições quanto a este hotel, e recomendo. Localização EXCELENTE. Fica a dica!!!

Então ao chegar e acomodar-se em seu hotel, passo a falar sobre algumas impressões que tive de Santiago:

CUIDADO COM OS TAXISTAS!
Todos os táxis possuem um tipo de taxímetro que emite um comprovante... certifique-se de que sua corrida começou com uma bandeirada de Ch$250,00 e que este comprovante está sendo emitido ao tempo em que o táxi se locomove. Fomos “furtados” algumas vezes... muito espertinho por lá, sabe... uma coisa meio Brasil! Táxi lá é barato! Uma corrida (longa) de 8Km não deve dar mais que cerca de Ch$6.000,00 (equivalente a R$20,00). Mas eles acabam dando um jeito de enganar os trouxas que falam português... vale a pena ficar SEMPRE ligado,embora não sejam todos desonestos!!!

COMPRAS
Nada me empolgou! Fiquei de 01 a 08 de setembro de 2010 por lá, e não havia nenhum tipo de promoção. O Shopping Parque Arauco, que tanto li recomendações aqui na net, não oferece nada a mais que um shopping aqui de SP oferece... os preços se equivalem, salvo uma coisa ou outra... há lojas de departamentos gigantescas (Paris, Ripley, Falabela) e é legal comprar nelas, eu mesma o fiz (minha preferida foi a Ripley), mas dizer que é uma barganha, ah isso está muito longe de ser...

Fiz “a festa” na Puma, pois estava realmente em conta (não em promoção, mas em conta). Comprei mochila por R$55,00, tênis por R$70,00, camisa por R$45,00, carteira, enfim, comprei pacas, não só pra mim, mas presentes pra família também. A Zara igualmente é mais barata que no Brasil. Veja: não é barata, é ‘mais’ barata... então, digamos, vale a pena (terninhos e sobretudos, especialmente). Afora isso, compras aqui e ali, mas como eu disse, fuçando muito pra achar algo que aqui no Brasil fosse substancialmente mais caro. Nesses lugares que citei, posso dizer, fiz boas compras.

Outro lugar que fomos e não empolgou foram o Shopping Top Center e os outlets da Nike e Adidas. No primeiro, roupas “cafonas pra normais”... sabe... assim, pra quê ir tão longe (foi nossa corrida de táxi mais longa, a de 8Km) se você não vai encontrar um paraíso de compras? Ok ok... não vou ser injusta... comprei um casaco lindo por R$50,00, e uma calça legging preta por R$20,00 (essa eu tava precisando... kkkkkk). Mas no geral, deixou MUITO a desejar. Os outlets idem. Uma das minhas amigas comprou bastante coisa pra correr na Nike, mas eu, pessoalmente, achei tudo caro. Pô, não é “outlet”? Se tá caro não compro! Já no da Adidas foi um pouco melhor... as mochilas tinham um preço bom, mas eram pequenas... acabei comprando um tênis azul e amarelo LINDO por R$ 45,00... sim, sou meio alternativa! :P

Do comércio em si não posso falar porque não fui. Tinha anotado pra ir à Recoleta, espécie de José Paulino (SP) de lá, mas desisti de ir porque estava mais a fim de ficar de papo pro ar em Santiago que sair garimpando isso ou aquilo... não era meu objetivo! Entretanto, nas suas andanças por Santiago não será incomum andar por ruas de comércio, onde sempre vale a pena olhar uma coisa ou outra, especialmente casacos. Compramos um aqui e outro ali em lojas de rua, coisa boa, de qualidade, e que esquenta ou embeleza. Fiquem sempre ligados!

Então pra quem acha que vai lá como se estivesse indo a Orlando (USA), ESQUEÇA!

PONTOS TURÍSTICOS
Santiago já é uma belezura “a olho nu”! O que são aqueles Andes percorrendo a cidade, gente??? Lindo demais... aliás, do avião já se vê aquela Cordilheira linda, cheinha de neve... não seja bobo de sentar no meio do avião como eu fiz na ida... reserve sua janelinha e mantenha sua máquina fotográfica em punhos!

Além das cidades que visitei, das quais falarei mais tarde, e do Vale Nevado, claro, visitei o Mercado Municipal, parte do Centro e os Cerros de San Crsitóbal e Santa Lucía.

Sugiro que no mesmo dia que você faça o Mercado, vc caminhe até o Centro e visite a Praça das Armas e adjacências... tudo pertinho e bonitinho... se você é um desses viajantes que não abre mão de uma boa foto, tal qual está no seu guia de bolso, é uma boa oportunidade pra isso!

Do Mercado tenho boas recordações... mas não do Mercado em si! Esse é um quadrado com poucas bancas e cheio de gente te cercando desde a calçada de entrada, querendo que você almoce no restaurante dele, nossa... um inferno!!! Fora que quando você senta fica neguinho passando e te pedindo dinheiro... enfim, pra brasileiro não é nada excepcional, né?! Mas irrita! Digamos, se na Passarela do Caranguejo (em Aracaju, onde eu nasci) fica aquela dupla de repentista te enchendo o saco, lá vai ter uma dupla de caras cantando músicas típicas em troca de uma gorjeta... o que se tem que fazer é abstrair, pedir um vinho e saborear a comida típica chilena, leia-se, frutos do mar. E é por isso que tenho boas recordações do Mercado de Santiago...

Lá saboreamos a “centolla”, aquele caranguejo gigante que alguns chamam de “caranguejo do Alaska”. Gente... COMAM! Só digo isso. É caro? É! Mas comam!!!!! Não sei se é porque sou de Aracaju, criada a base de muito caranguejo, mas o sabor daquele treco é bom demais da conta, Jesus... queria um inteiro só pra mim! :P Então, basicamente, fomos ao Mercado sentar, beber e comer. É coisa pra turista ver e fazer? É! Mas o que você, brasileiro como eu, é em Santiago, senão um turista com uma máquina fotográfica na bolsa e uma vontade de ver e experimentar costumes locais? Vá em frente e não se acanhe... encare o caranga!

Os Cerros também valem a pena. Como dica de planejamento, posso adiantar que no mesmo dia, um domingo, fizemos o Mercado, passeamos no Centro, e de lá partimos pro Cerro San Cristóbal, embora advirta que estávamos de carro com amigos locais. Talvez de metrô a coisa seja mais demorada...

Coincidentemente chegamos ao Cerro San Cristóbal perto do pôr do sol... então vai mais uma dica pra vocês... foi espetacular ver o sol morrer atrás dos Andes... visão incrível, fotos incríveis. Lá comemos também o famoso “Mote”, doce típico chileno, uma calda de pêssego com milho, na boa, uma coisa bizarra! Kkkkkk Mas enfim, comemos. Lá também comprei trequinhos pra presentear e guardar de lembrança, coisas como imã de geladeira, copinho decorado etc. etc. E faço um alerta aqui: não deixem pra comprar esse tipo de coisa no Aeroporto de Santiago, triplica de preço!!!

O Cerro Santa Lucía você pode fazer no mesmo dia que o Palacio de La Moneda. É perto. Em frente também há um Centro de Artesanato, mas confesso que não atravessei a rua pra ir... o Cerro tem escadas e mais escadas, já estava cansada o suficiente! :P Mas o Cerro Santa Lucía é bacana também... você tem uma visão bem legal de Santiago, ainda que a do Cerro San Cristóbal seja mais bonita.

Então acho que de ponto turístico foi isso, viu gente?! Quem quiser se aprofundar mais sugiro visitar alguns museus da cidade.

E por hoje é só! Nos próximos posts vou falar sobre: vinhos/pisco; bares/restaurantes/noitada; Vale Nevado; e Viña Del Mar/Valparaíso, além de outras coisas que surjam na minha cachola... ATÉ LÁ!!!

Um comentário:

Tamar disse...

Quero ir pra Santiago DJÁ! Amei o post!