quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Entre o céu e o inferno - Parte 3 [última]

Com as luzes apagadas o avião começou a descer... e pra completar o lance do atraso, do peso, do motor, ele agora passava por mais nuvens pretas e aquela sensação da bunda levantando da cadeira por 1s era mais freqüente... eu já tinha rezado até em aramaico... já nem pedia aos santos, ia direto a Jesus Cristo...

Quando próximos do chão (mas nem tanto), sem aviso, sem motivo aparente, sem pedir licença, o piloto arremeteu o procedimento num rompante de subida que não deixou a desejar a nenhuma montanha russa... nessa hora eu achei que ia empacotar bonita!!! Os passageiros, junto comigo, entoaram um coro igual aqueles que a gente ecoa num trem fantasma... lembrei do filme “O Auto da Compadecida” e pedi logo a Nossa Senhora pra ter piedade da pecadora que vos fala e interceder rápido!!! O coração, a essa altura, pulsava na testa!!!!!

O piloto foi incapaz de dar uma satisfação, aquele filho da puta!!!! A gente se entreolhava e tudo que eu queria naquele momento era um rosto conhecido pra me tranquilizar... com o braço erguido até a poltrona da frente, a merda da cabeça pensante voltou a funcionar como nunca!

Lembrei de todos os acidentes aéreos que eu já tive notícia, de todas às vezes que vi a porcaria do programa do Discovery sobre reconstituição revelando ao final a causa de cada um dos acidentes... dos meus constantes sonhos com avião, incluindo acidentes, embora eu nunca esteja neles... lembrei que todo início de ano é cheio de tragédias... lembrei que meu chefe cedeu o lugar pra eu embarcar naquele vôo e foi em outro... lembrei que iam especular minha última twitada na TV (pra quem não conhece, seria mais ou menos o equivalente a um último post aqui no Tolices, mas com apenas 140 caracteres)... lembrei que como meu cartão de embarque era do vôo cancelado não iam ter certeza se eu estava mesmo naquele vôo e estando na poltrona 4C se minha arcada dentária derretesse ia dar mais merda ainda por conta disso...

Gente, eu pensei MUITO!!!! Seria impossível descrever tudo que pensei aqui... fiquei imaginando: e se eu morrer??? Mas como assim morrer??? Falta TANTA coisa... comecei a pensar nas coisas que ainda quero fazer na minha vida e que eu não quero morrer tão cedo!!!! Passou aquele velho filme na cabeça sobre todas as coisas importantes que eu fiz, dos meus erros e acertos, das pessoas com quem briguei ou pra quem eu ainda não disse tudo que queria... aquela situação de quem acha que vai bater as botas, né?! Ou vocês nunca viram “Beleza Americana"??? :P

Eu já não conseguia disfarçar meu pavor pra ninguém, enquanto o avião parecia fazer voltas e voltas no ar... todo mundo branco da cabeça aos pés, mas ali... passando confiança... kkkkkkk O guri da janela da minha fileira estava vibrando, para aumentar ainda mais o meu ritmo cardíaco... a cada raio que se via da janela ele gritava “MÃE, MÃE... VOCÊ VIU??? ESSE FOI DOS GRANDES... IUPIIII”... eu queria enfiar o guri no compartimento de bagagem, né?! Mas minhas mãos suadas e “empedradas” não saiam do lugar por nada!!!!! Isso quando ele não gritava “ÒI MÃE, ÒI MÃE, TEM OUTRO AVIÃO ALI, TEM OUTRO AVIÃO ALI...”, e eu me esticando toda pra ver se a peste do outro avião estava muito perto da gente, né?! Ô maranhense ‘fio do cabrunco’!!!!!!

Como o desgraçado do piloto não falava nada, e os tripulantes todos amarradinhos em seus lugares idem, a cabeça frenética da criatura aqui já imaginava 1 milhão de motivos pra que o avião tivesse desistido do pouso... mais uma vez não posso descrever tudo que pensei, mas a idéia que mais me apavorou foi pensar que o trem de pouso não tivesse abrindo e que com aquela pista curta de Congonhas fosse impossível pousar de barriga... como eu não conseguia mais controlar meus pensamentos, a idéia seguinte foi: e se a gente não tiver combustível suficiente pra chegar em Guarulhos ou Viracopos (Campinas)???? Òi... só eu mesma, viu?! Puta que pariu...

Vou confessar pra vocês que em meio a uma conversa super pé do ouvido que eu tive com meu anjo da guarda (esse trabalha, viu?! kkkk) o que me confortava era pensar que eu ia conseguir sair daquilo e contar tudo aqui no blog... que eu ia conseguir transformar aquela angústia toda em algo divertido pra vocês e, principalmente, pra mim.

Percebi que um novo procedimento de pouso tinha sido iniciado... sim, porque o mudinho do Calçadão da João Pessoa falava mais que o piloto, né?! E balança daqui, balança dali, ouvi o trem de pouco descendo, o que já foi um alívio bem grande, viu?! Mas faltava chegar no chão, sã e salva... e bem ou mal pousamos na 'super pista' do Aeroporto de Congonhas, com duas freadas bruscas e paradinha já nas luzes amarelas, é verdade, mas chegamos todos ilesos ao que foi um dos piores momentos da minha vida. Agradeci demais por estar viva e por poder voltar pra casa... eu tremia da cabeça aos pés!!!!

Só com o avião parado o piloto veio nos dar uma satisfação... [Jura??? Com a gente em solo????] Disse que o procedimento de arremeter é 100% seguro e que não pousou porque os ventos não eram favoráveis, então teve de ficar esperando autorização pra pousar...

Talvez se esta informação tivesse sido dada enquanto voávamos eu teria poupado uns 1237981389120490 de batimentos acima do necessário, mas tudo bem... quem sabe se alguma coisa maior não estava acontecendo e ele também estava em tenso? Whatever... tô viva!!!!

Jurei que tão cedo viajava de avião de novo e me arrependi amargamente de ter comprado passagens pro Rio no carnaval... peguei um taxi e fui direto pra casa, já passava das 21h!!! Ao chegar, nem deu tempo de tirar a roupa e meu celular tocou... do outro lado da linha um colega de trabalho: “Paula, foi solicitado de última hora e você terá uma reunião amanhã cedo... em BH!!!! Por favor compre sua passagem para o vôo TAM ‘Congonhas – Confins’ das 7h20 que o cliente reembolsará... boa viagem”.

4 comentários:

Dani disse...

já te falei alguma vez que seus textos são os melhores??? vc ainda vai escrever um best seller!!! olha o que to te falando...

quanto a sua aventura nas alturas.. sinto muito... graças a Deus nunca passei por nada parecido...
e como foi voar no outro dia??? faz outro post contando esta emoção... hehehe

beijão!!!
Dani Barros

Luli Facciolla disse...

Tá faltando o "Entre o céu e o inferno - parte 4 - operação BH"!

ahahahahahah

Beijooooo

Vera disse...

Pergunta + q óbvia: teve dor de barriga??? Bom, pergunto pq em mim, meu órgão de impácto emocional é o intestino portanto... se fosse comigo teria $#@%$* tudo kkkkkkk. Agora, voar no dia seguinte a isso td, tb deve ter sido assustador. Bem dizia meu pai:"Boa romaria faz, quem em sua casa fica em paz". Volta prá casa, minha filha!!!!!!

Paula Dantas disse...

Claro quye tive dor de barriga!!!! kkkkkkk

O vôo do dia seguinte foi mais tranquilo sim, sem dúvida, fora que eu estava cacompanhada, o que faz uma boa diferença nessas horas de sufoco... voltei sã e salva pra casa e fiz as pazes com a TAM! :p