quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

"Na Chuva Com Madonna"

As expectativas pro final de semana eram as melhores, e embora uma teimosa chuva tenha caído do céu do Rio de Janeiro durante toda a minha visita, ele não me decepcionou...

O tempo foi corrido e desde a chegada o pensamento estava focado em uma única coisa: o show de Madonna. A cidade já respirava a Diva, aliás, no próprio vôo da TAM, patrocinadora dos espetáculos, nossa ansiedade foi elevada a mil quando uma espécie de propaganda da turnê foi exibida nas telinhas sobre nossas cabeças nos fazendo criar uma “ola” desajeitada...

Já com os pés na cidade, era tempo de rever o pedacinho da família por lá e fazer umas comprinhas rápidas, afinal, não deu praia! Mas o que fazer num Rio de Janeiro chuvoso? Ora... correr pro primeiro boteco e tomar uns chopes gelados!!! Foi o que eu fiz, uma pequena “baratona” percorrendo 3 diferentes botecos no Leblon entre o fim de tarde e a noite carioca. Foi MARA!!!

Atrasadíssima pro nosso programa noturno, já cheguei na Lapa com aquele ar de “o Rio de Janeiro continua lindo... AU!”, e o Monobloco em pleno Circo Voador não decepcionou: foi de arrepiar.

Do samba no Circo pras carrapetas da Casa da Matriz com minha amiga guerreira BRAÇO, até ver o sol bater a pino em nossas cabeças enquanto lanchávamos às 8h da manhã... O RESTO É LENDA! NHÁ!!!

Precisa dizer que no sábado eu tava destruída? Mas Rio é Rio, e lá não há tempo a perder. Depois do almoço no Horto, várias “ruivas” no Devassa de Ipanema pra recompor as energias, e logo emendamos a noite de volta ao Leblon pra experimentar um dos sushis mais famosos da Cidade Maravilhosa. Mas mais famoso que o sushi deveria ser a conta do tal Sushi Leblon, o Senzai vira lanchonete perto...

Hora de dormir, porque amanhã o dia seria longo... e foi!
Almoço reforçado no Outback com toda galera de Buracas (fazendo aquela zuada habitual que incomoda todas as mesas à volta... kkkk) e partimos pro Maraca.

A chuva, ainda teimosa, nos obrigou a comprar capas de chuvas antes de procurar nosso lugar na fila, que pra minha surpresa não estava tão longa quanto o imaginado. Na verdade demos muita sorte, porque acabamos indo de carro com minha querida amiga Paula Amaro que estacionou em frente (!!!) ao nosso portão.

Logo a fila começou a se mexer e organizadamente conseguimos entrar no Maracanã (Ps. Alguém até comentou na hora que foi mais fácil entrar pra ver Madonna num Maracanã com 70mil pessoas do que no Sítio Terêncio na Odonto Fantasy. Organização É TUDO!).

Gente, o que era aquilo? Entrar no Maracanã e avistar aquele palco gigantesco com as letras “M” estampadas fez meu coração disparar... não dá pra explicar, porque nem fã de Madonna eu sou... quer dizer... digamos que eu a admiro e gosto de algumas músicas, mas não me comparo com um fã de verdade. Só que ver o Maracanã lotado de gente é emocionante demais, e logo fomos procurar um lugarzinho legal pra assistir ao show ali da pista.

O show começou e nem parecia que uma chuva insistente e relativamente intensa caía sobre nós. Logo ali, Madonna a nossa frente entoando Hard Candy cercada de bailarinos na primeira das quatro partes do show. A segunda música é uma das minhas preferidas do novo CD, Beat Goes On, então a partir daí eu me acabei mais ainda, né?! Dancei mais que a preta do leite... e tome-lhe chuva!!! Foi nesse momento que Madonna se dirigiu a primeira vez pra nós: “Hello Rio de Janeiro!!!” Ai Jesuixxxxxxxx... o Maracanã urrava!!!!!

O show prosseguiu e eu permanecia na ponta do pé pra tentar avistar Madge no palco (minhas panturrilhas estão doendo horrores!!!). Nosso lugar era muito bom pro setor que a gente comprou, mas perto perto mesmo estava a galera da pista vip. Eu só pensava no meu primo Netto e como ele estaria reagindo aquela overdose de Madonna...

PRIMEIRA PARTE DO SHOW: Hard Candy, Beat Goes On, Human Nature e Vogue.

Tive a sorte de ficar “amiga” do casal de gays a minha frente (carisma é tu-do!) e um deles me suspendeu já na segunda parte durante Into The Groove, foi quando eu tive uma visão melhor do palco, da multidão e de Madonna, claro.

Tudo era perfeito, mas a chuva atrapalhou um pouco. A produção não parava de esfregar toalhas brancas pra enxugar o palco e durante alguns momentos alguém do staff segurava um grande guarda-chuva preto enquanto Madonna empunhava sua guitarra na passarela de 17m que fluía do palco principal. Foi assim em Human Nature, por exemplo.

Madonna estava simpaticíssima, fazendo caretas, sorrindo, conversando e piscando pro público... acho que aqui no Brasil, já ao final de sua turnê, ela finalmente encontrou uma platéia de verdade. Reclamou várias vezes da chuva repetindo “fuck the rain” e perguntava se a gente se incomodava com ela. Adivinhem o que dizia o coro de 70mil pessoas? “NO!!!!!”.

Em She´s Not Me até Madonna sucumbiu a chuva levando um tombo no palco que eu acompanhei pelo telão. Quer dizer, a galera já gosta de cair nos shows que eu vou, né?! McCartney também caiu em 2005... acho que sou pé frio! :p Mas foi justamente depois do tombo que Madge surtou!!!

Nessa música Madonna fala de alguém que não é ela, e várias bailarinas entram com um determinado figurino da carreira da Diva. Madonna agarrou a dançarina de noiva alá Like a Virgen e tascou-lhe a maior colada concomitante a um aperto na bunda. O Maracanã vibrou... kkkkkk Ela achou pouco e começou a arrancar toda a roupa do figurino: casaco, peruca, óculos, meia... short! Tudo jogado pra platéia ensandecida enquanto ela loucamente se debatia no chão. Loucura loucura, loucura!!!!!

SEGUNDA PARTE: Into The Groove, Heartbeat, Boderline, She´s Not Me e Music.

Na terceira parte, pra mim a menos legal, antes de tocar no violão You Must Love Me ela disse (em iglês, claro), que era muito bom voltar ao Brasil depois de 15 anos e pediu desculpa por nos ter feito esperar. Disse que amava o Rio e agradeceu, já em português, sob o berro dos presentes, com um sonoro: “Obrigado”.

Frise-se que essa não foi a única palavra de Madonna em português. Em She´s Not Me, aquela mesma música em que ela “surtou”, caiu e quase ficou nua no palco, ela gritou do nada “PUTAAAAAA...” kkkkk... Mais uma vez o Maracanã respondeu com gritos.

Pra mim o ponto alto dessa terceira parte foi La Isla Bonita, um clássico da carreira da Rainha, né?! A gente se acaba de dançar, não tem jeito... ah, sem esquecer de Miles Away, quando Dani Todeschini me colocou na corcunda!!!!! Kkkkkk Tirei fotos e filmei enquanto ela achava pouco meu peso em cima dela (de calça jeans encharcada da chuva) e ainda dançava... amiga ama!!!!

TERCEIRA PARTE: Devil Won´t Reconize You, Spanish Lesson, Miles Away, La Isla Bonita/Lela Pala Tute e You Must Love Me.

A última e mais eletrizante parte do show começa com o vídeo “Get Stupid” inspirado em 4 Minutes. Várias vezes estampando a mensagem “get up”, o vídeo mostra imagens chocantes do mundo, como pessoas mortas e desnutridas, além de imagens de guerras, políticos e pacificadores, como John Lennon (lindo!!!). No final, Barack Obama aparece e o Maracanã se esgoela em coro mais uma vez.

A chuva, intermitente, aperta ainda mais e Madonna volta ao palco enquanto o Maraca ecoa os primeiros acordes de 4 minutes. É a vez de Madonna dividir o palco com Justin Timbarlake nos telões, até que Like a Prayer começa e o Maracanã vem abaixo... foi a parte mais emocionante do show, SEM DÚVIDA, com 70mil pessoas cantando junto e pulando (muito!!!) sem parar. Ali da pista então, era pular ou pular, mas, aqui pra nós, isso não foi nenhum sacrifício...

Madonna estava visivelmente feliz e parecia se esforçar ainda mais pra fazer a gente não ficar parado. De Like a Prayer, Ray of Light, Expresse Yourself (pedida por um sortudo fã da platéia), Hung Up (AMO!!!) até a última, Give It 2 Me. Madonna, esfuziante, desce do palco, manda o segurança se afastar dela e a 20cm de fãs alucinados canta junto com eles. Foi fantástico!!!! Ela se despede e se lê “Game Over” nos telões.

QUARTA PARTE: 4 Minutes, Like a Prayer, Ray Of Light, Hung Up e Give It 2 Me.

Esse é o tipo de show que acaba e a gente continua extasiado. Holiday toca e a multidão vai se dispersando e cantando. Encontro meu primo saindo da VIP e ele está ainda mais extasiado que eu, me diz que a viu tão de perto que foi capaz de ver detalhes, como o rímel acima dos olhos... kkkkkk

Madonna é MARA e o Maracanã inteiro se ajoelhou aos seus pés, até eu. Ela tem o domínio total do palco e da platéia. Várias vezes me peguei parada, mesmo com aquele som todo, de boca aberta assistindo as coreografias e pensando “Porra, essa mulher tem 50 anos!!!”.

Com 25 anos de carreira, é difícil imaginar que alguém alcance o sucesso que ela alcançou. É rainha com todos os méritos e com o vigor que mostrou ainda vai continuar rainha por muitos anos, mesmo quando não puder mais fazer o que faz.

Tenho certeza que meus filhos vão ouvir Madonna e eu lhes direi orgulhosa: “Quando mamãe tinha 27 anos assistiu Madonna no Maracanã...”.

Na segunda-feira acordei com aquele “vazio” depois de esperar tanto pelo show. Fui almoçar e tomar um chopp pra me despedir da cidade, já pronta pra viajar. Bateu uma vontade ESTÚPIDA de jogar tudo pro alto e ficar lá sem data pra voltar, de ir ao Maracanã a noite assistir o segundo show... mas a sensatez falou mais alto que a loucura e eu fui pro Galeão pegar meu caminho de volta pra casa...

No vôo, apesar das mais de 800 músicas disponíveis no meu IPod, eu só conseguia escutar uma coisa: Madonna, Madonna e Madonna. Foi inesquecível...

5 comentários:

Kadydja disse...

Adorei!!! Vc prestou beeem atenção ao show né? Eu tbm não peguei trânsito pra chegar no maraca de carro, enquanto um amigo demorou 3 horas no metrô...

O nome do fã que pediu Express Yourself é Fábio... :-P

Você contou toda a sua trajetória no Rio... eu tbm me joguei na Lapa com Mila, Rod e o carioca zanelli, depois de assistir ao show do Marcelo camelo no Canecão, simplesmente MARAVILHOSO! Foi um final de semana 100%...

ai ai se Aracaju fosse assim... beijos!

naiana disse...

Paullete!!! pelo jeito foi bom mesmo. quero saber cadê as fotos e se vcs foram vestidas como planejado!!! beijinhos

Tamar disse...

Amiga, vc tá na carreira errada... o jornalismo musical corre em suas veias!!! Senti sua emoção em cada linha e me empolguei ainda mais pro show que vou ver dia 21, apesar do tempinho com cara de chuva que tá aqui em Sampa. Claro q o Morumbi não é nenhum Maraca, mas dá pra emocionar... te conto TUDO qdo chegar. Bjo da amiga que é cada vez mais sua fã!

Bianca disse...

Paulete...
incrível como a sua impressão do show refletiu exatamente tudo o que senti (especialmente depois de todo o drama vivido para resgatar os meus ingressos esquecidos em Aracaju, né).
Também fiquei com as panturrilhas me matando de tanta dor, também passei momentos parada, de boca aberta, embasbacada com a diva e com a produção do show (o que foi aquilo o telão com imagens de água sendo jogada em câmera lenta!!!!!), sem falar do momento "Like a prayer" que me fez chorar, pular feito uma louca e ficar de garganta doendo de tanto cantar no mais alto volume que meu pulmão permitiu...
Madonna veio e mostrou porque é considerada uma diva e com muita razão. E você arrasou, amiga! Pena que não nos encontramos.
Beijos.

Marília disse...

Paulete,
Deu pra sentir um pouco da emoção do show só de ler seu texto!
Concordo co Tamar. Vc está na carreira errada, amiga!!
Bom demais!!!
beijão