quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Meu Senhor do Bonfim


Na noite do último Reveillon, logo na entrada da festa, os convidados recebiam umas fitinhas do Senhor do Bonfim, muito popular aqui no Nordeste, especialmente na Bahia. A meu pedido, uma das minhas melhores amigas amarrou uma delas no meu pulso, e então eu mentalizei COM TODAS AS MINHAS FORÇAS os meus 3 desejos, certa de que 2008 seria o ano ideal pra colocar tudo aquilo em prática (o que, de fato, está sendo!!!).

Prometi pra mim mesma que não ia tirar essa fitinha por nada, por nenhuma festa de gala, por nenhuma reclamação de terceiros... e aqui está ela, velhinha e “fubambenta”, escondida pelo relógio do meu pulso esquerdo, onde há de permanecer até que caia por si só e meus 3 desejos sejam realizados pelo santo. É assim que manda a tradição.

Superstições à parte, hoje venho ao Tolices lhes contar que o meu terceiro desejo se realizou. Lembro-me de fazer os 2 primeiros pedidos logo de cara e ficar imaginando o que poderia ser meu terceiro desejo... até que ele veio à cabeça enquanto eu segurava uma taça de proseco na mão: “vai, Karine... aperta esse negócio, minha fia... ah porra... ficou folgado... agora deixe!”.

Exatos 10 meses se passaram até que o último e quase esquecido dos pedidos viesse a ser ironicamente o primeiro a se realizar. Fico contente. Estou contente. Resta saber quando os outros 2 se concretizarão...

Pressa? Não há. Na verdade ela existe apenas pro segundo. Tô correndo atrás.
Quanto ao primeiro... bom, esse é o tipo de pedido que a gente pode esperar o tempo que for necessário... a gente apenas torce pra que não demore muito.


Epílogo

A fita original foi criada em 1809, tendo desaparecido no início da década de 1950. Conhecida como medida do Bonfim, o seu nome devia-se ao fato de que media exatos 47 centímetros de comprimento, a medida do braço direito da estátua de Jesus Cristo, Senhor do Bonfim, postada no altar-mor da igreja mais famosa da Bahia.

A "medida" era confeccionada em seda
, com o desenho e o nome do santo bordados à mão e o acabamento feito em tinta dourada ou prateada. Era usada no pescoço como um colar, no qual se penduravam medalhas e santinhos, funcionando como uma moeda de troca: ao pagar uma promessa, o fiel carregava uma foto ou uma pequena escultura de cera representando a parte do corpo curada com o auxílio do santo (ex-voto). Como lembrança, adquiria uma dessas fitas, simbolizando a própria igreja.

Não se sabe quando a transição para a atual fita, de pulso
, ocorreu, sendo fato que em meados da década de 1960 a nova fita já era comercializada nas ruas de Salvador, quando foi adotada pelos hippies baianos como parte de sua indumentária.

A fitinha atual, vendida por ambulantes em volta da Igreja do Senhor do Bonfim, em Salvador, precipuamente é uma lembrança e atestado da visita que o devoto ou turista tenha realizado àquele templo católico.

Confeccionada em tecido comum, pode ser amarrada no pulso ou mesmo no tornozelo
, dependendo do gosto da pessoa. Seu uso, porém, carrega uma outra significação, supersticiosa e folclórica: o usuário, ao amarrá-la, deve dar 3 nós, fazendo então 3 desejos, ou pedidos, ao Senhor do Bonfim. Esses pedidos serão satisfeitos quando o tecido se desgastar e romper.

Reza a tradição que a fita não pode ser retirada, mesmo tendo se desgastado ao longo do tempo: ela deve cair espontaneamente e, quando tal ocorre, é porque os desejos ou pedidos serão atendidos.

Fonte: Wikepedia

6 comentários:

Lua Oliva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lua Oliva disse...

E aquele Reveillon pra mim, tal como esse ano pra vc, amiga-mara:
ficou pra história...
Amei o post!

Beijuca

P.S- Não importa se a gente não viajou e ficou em Aracaju... FOI UMAS DAS MELHORES PASSAGENS DE ANO DOS ÚLTIMOS TEMPOS. Melhores amigos, prosecco na mão, beijo na boca, muita resenha pra contar e...velho, não é que 2008 está quase acabando?

Marcelinho Hora disse...

Que linda foto! Sua? Quando tiver alguma informação sobre o curso, me dá um alô!

http://marcelinhohora.blogspot.com/

Luli Facciolla disse...

Agora posso contar pq já aconteceu...
Fiz um pedido ao Senhor do Bomfim em pleno carnaval. Meu namorado na época foi quem amarrou a fita. Tirada das tranças de uma negra linda que prontamente disse: "pede pra casar com ele". Foi o que eu fiz. E ainda nos 3 nós: "casar com ele, casar com ele, casar com ele!"
Demorou 2 anos e a fita caiu na véspera do casório com o tal namorado! Inacreditável!

Aí vem a grande tirada: pense MUITO bem no que vai pedir. Senhor do Bomfim entende o que é literal... O tal namorado não foi bom marido e o casório só durou 11 meses...

Mas o pedido foi atendido! hehehehehehe

Beijos Paulinha!

Antonio Sávio disse...

Gostei da forma que escreve.Parab´´ens pelo texto. Ótimo blog.

Nany disse...

Rapaaaz eu não fico sem uma fitinha dessa na mão! Hahahaha.. sai uma, coloco outra! Acho que eh pq eu moro na Baaeeeea! heuaheuahe... :p

E que venha 2009 com novos pedidos e desejos a serem realizados! :)

Beeeeijo!